Setor imobiliário acredita na melhora da economia

Após um longo período de baixa por conta da crise presente nos últimos anos no Brasil, os profissionais que trabalham e acompanham o mercado imobiliário tem enxergado grandes oportunidades e mantido as expectativas positivas. Essa retomada do crescimento econômico certamente terá reflexos otimistas no setor de imóveis, que já tem se mostrado vantajoso em alguns pontos para ambos os lados.

Houve queda significativa no valor dos imóveis e comprar na baixa é sempre um bom negócio. Algumas linhas de crédito estão disponíveis para quem deseja ter o seu imóvel através de financiamento e, com juros mais baixos, mais capacidade de pagamento, aumentando o acesso às compras de imóveis.

crescimento_do_detor

Além disso, o mercado precisa se manter diversificado oferecendo aos clientes outras modalidades de compra, a fim de manter a economia aquecida e garantir as vendas. Essa tática é colocada em prática sempre que a demanda é grande e novos nichos se destacam nesses momentos de crise, exigindo uma resposta rápida do setor que precisa se adaptar e criar novas opções de crédito para não perder suas vendas.

Ainda que a visão seja otimista, é preciso cautela. É necessário, por parte das empresas, reduzir os desperdícios e aumentar a produtividade. Manter-se informado das alterações do mercado, mudanças de comportamento do target e realizações de pesquisas são essenciais para atender a todas as exigências de um mercado competitivo. Além de investir na facilitação de crédito para os compradores e redução de custos na construção e manutenção dessas propriedades, com tecnologia e sem perda de qualidade.

A queda da taxa de juros e recuo da inflação é o que tem dado sinais de recuperação da economia para o setor imobiliário. Um dos fatores que têm interferido na decisão de compra dos consumidores, infelizmente, é o desemprego. Por mais otimista que alguns setores estejam, os índices de desemprego atingiram números altos no último trimestre e retratam a insegurança dos clientes em comprometer-se com investimentos significativos como a compra ou financiamento de um imóvel.

A construção civil criou vagas formais em julho depois de 33 meses seguidos demitindo mais do que contratando (Caged / Ministério do Trabalho e do Emprego). É uma boa notícia para a economia, mas o setor ainda precisa de mais para a retomada de crescimento. No momento, o setor encara de forma positiva e com otimismo as possibilidades que o mercado oferece para ajudar a aquecer a economia ainda este ano.

Entender o momento em que o país vive economicamente falando, ajuda as incorporadoras, construtoras e demais empresas que fazem parte do setor imobiliário a se preparem para os momentos de 2017. Felizmente, parece que vivemos uma maré positiva e grande empresas já estão de olho nas oportunidades que conseguem abraçar para tornar as vendas possíveis para os compradores. Taxas de financiamento menores indicam aumento na demanda, pois esse tipo de facilidade auxilia os usuários na hora de fechar um negócio e concluir o sonho da casa própria.